Ansiedade de separação: quando o apego é demais

 

O seu cão sofre quando é deixado sozinho? O comportamentalista Alexandre Rossi dá as dicas de como enfrentar o problema

É muito bom ter um cão que gosta de nós e sente nossa falta. Mas ele pode se tornar dependente demais e sofrer cada vez que for deixado sozinho.  Entre os sintomas desse problema, chamado de ansiedade da separação, os mais comuns são o cão ficar apático, deixando de comer e brincar, babar por toda a casa, uivar incessantemente, fazer xixi na cama dos moradores e raspar a porta a ponto de ferir as patas.

Cão não é sombra

Há um conjunto de cuidados que ajuda a evitar a intranqüilidade canina diante da solidão. O importante é habituar o cão a não nos seguir o tempo todo. Assim, quando a separação for necessária, nossa ausência será mais facilmente aceita por ele. Para promover alguma dependência, evitamos chamar o cão sempre que ele estiver fora de nossa vista e o estimulamos a ficar sozinho. Por exemplo, anime-o a explorar novidades e não satisfaça os desejos dele o tempo todo. Dar carinho e atenção sempre que o cão pedir o torna mais sujeito à ansiedade de separação quando for deixado sozinho. É como acontece com as crianças mimadas. Isso não quer dizer que você não deva dar atenção e carinho ao cão. Simplesmente ignore alguns pedidos de carinho. Acostume-o a pequenas frustrações. Por exemplo, deixe-o do lado de fora do banheiro enquanto você faz as suas necessidades ou toma um banho.

Treine o cão. Saia deixando-o sozinho e volte enquanto ele ainda estiver calmo, sem fazê-lo sentir-se intranqüilo. Gradativamente, aumente os períodos de solidão.

Controle emoções e reações

Grande parte dos cães com ansiedade de separação pertence a pessoas ansiosas. Ao sair de casa, não se despeça calorosamente do cão se ele for daqueles que ficam aflitos quando estão sozinhos. Perceber o dono ansioso poderá aumentar a ansiedade do cão e fazê-lo sentir-se mal ou culpado nesses momentos. Saia calmamente.

Se ao chegar em casa você estimular uma recepção calorosa, o cão terá mais um motivo para ficar aflito na sua ausência. Portanto, nesses momentos, em vez de festejar o cão o melhor é ignorá-lo, embora nem sempre seja fácil. Deixe o carinho, as brincadeiras ou o passeio para depois de ele ter se acalmado. 

Crie associações relacionadas a você

O cão associa locais, odores e objetos ligados a nós, à nossa presença. Quando você sair, permita que ele tenha acesso à sala, ao quarto ou a qualquer outro ambiente onde você costuma passar bastante tempo. Se essa opção não for viável, faça o cão associar a você o local onde permanecerá enquanto for deixado sozinho. Para tanto, procure brincar e ficar com ele por pelo menos alguns minutos naquele lugar. Também ponha lá objetos e panos com seu cheiro.

Amenize a solidão

Por ser social, o cão precisa de companhia. Se ele é freqüentemente deixado sozinho, considere a hipótese de lhe proporcionar uma companhia permanente. Se for macho, consiga uma parceira fêmea, e vice-versa. O ideal é formar casal, já que exemplares do mesmo sexo estão mais sujeitos a brigas sérias.

Proporcionar atividades ao cão que fica sozinho é outra maneira de amenizar a solidão. Algumas opções de passatempos são deixar petiscos escondidos pela casa para o cão encontrar, possibilitar o acesso dele a janelas para observar o movimento externo e dar ossos de couro para ele roer.

Resumo das dicas:

– Evite que o cão o siga o tempo todo
– Ignore alguns pedidos de carinho dele, para acostumá-lo com pequenas frustrações
– Crie atividades para ele não ficar entediado na sua ausência
– Não faça festa ao chegar em casa e nem se mostre culpado ou preocupado ao sair
– Permita que o cão tenha acesso a pelo menos um local onde você fica, como à sala ou ao quarto. Se não for possível, passe algum tempo com ele no local onde ele costuma permanecer enquanto você está ausente. Também deixe lá objetos e panos.

fonte: cão cidadão

Esse post foi publicado em Patinhas de Anjo. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Ansiedade de separação: quando o apego é demais

  1. Maria Aparecida Mattos Marconi disse:

    Gostei muito desse artigo pois, estou saindo de viagem na próxima terça-feira. Meu filho mais velho, vai ficar em casa porque como vcs já sabem, tenho uma pastor capa preta de 11anos e adotei o Hans que ontem completou 3meses. Será que vai haver alugum problema com os dois? O Urso já adotou o Hans eles brincam quase o tempo todo (isto é) quando o Urso não está dormindo. Como ele já tem idade isso é natural né? Um beijão e espero sua resposta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s